EQUILÍBRIO ENTRE NUTRIENTES NO SOLO

A Nutrição Vegetal equilibrada - Proporções
A nutrição da planta somente é equilibrada quando receber todos os nutrientes necessários em quantidade certa para poder formar proteínas e enzimas e todas as substâncias para que foi geneticamente programada.
Deve ficar bem claro que da semente não se forma a planta. A planta se forma dos minerais que retira do solo e do carbono que capta do ar. A semente somente é o código segundo o qual a planta se formará. Este código pode ser mudado, o que faz nossa engenharia genética, mas o efeito de sua modificação ou mutação depende do solo e do que ele tem a oferecer.
Os nutrientes existem em proporções exatas para cada espécie e em níveis próprios para cada variedade. O equilíbrio dos nutrientes depende, pois, de sua existência na proporção exigida.
Algumas proporções que sempre existem:
N/Cu ( Nitrogênio/ cobre)
Cu/Mo/Co (Cobre/ molibdênio/ cobalto)
P/S (fósforo/ enxofre)
P/Zn (fósforo/ zinco)
Ca/Mg + K ( Cálcio/magnésio + potássio)
Ca/Mn, e Fe (cálcio, manganês e ferro)
K/Mg (potássio/magnésio)
K/B (potássio/boro)
N/P/K (nitrogênio/fósforo/potássio)
Al/Ca + Mg + K ( Alumínio/Cálcio + magnésio + potássio)
e outras
Isso significa que, se aumentar o nitrogênio na dieta vegetal, deve-se aumentar obrigatoriamente o cobre para não gerar um desequilíbrio.
Se aumentar o fósforo, tem de se aumentar igualmente o zinco. Existem variedades de soja que reagem desfavoravelmente ao fósforo enquanto não se aplica também zinco.
Uma calagem pode fixar todo manganês e portanto pode causar problemas especialmente em leguminosas tropicais.
Uma aplicação isolada de molibdênio pode causar a deficiência de cobre e cobalto.
Nitrogênio provoca um crescimento acelerado enquanto cobre é um "redutor de crescimento". Plantas de arroz em terrenos recém-desbravados poderão ostentar um excesso muito grande de nitrogênio quando existir a carência de cobre, frequente em várzeas.


Nenhum comentário:

Postar um comentário